Avançar para o conteúdo principal

A Super Multi-Pen USB: Introdução

Arranjei aqui um titulo bem sugestivo para uma serie de artigos que tenho planeado aqui para o blogue... ;) 

Nesta Super Multi-Pen USB vamos aproveitar as vantagens do armazenamento portátil proporcionado por uma pen USB. Acho que todos temos pelo menos uma pen USB em casa, e muitos até trazem uma dentro do bolso dia a dia. O que vamos fazer vai ser aproveitar personalizando ao máximo a pen com múltiplos softwares e sistemas para usar em multiplos computadores diferentes. Alias a pen funcionará também como disco de arranque com vários sistemas operativos para uso de desktop ou multimédia, ou até para recuperação de avarias e instalação de novos sistemas!

Isto vai ser mesmo uma Super Multi-Pen USB que incluirá só para começar o OpenELEC, o Parted Magic, o NetBootCD, o Lxle, e também claro as PortableApps. Posso vir a adicionar claro mais algum software na pen... Nem que seja em resposta a algum pedido que apareça num comentário ;)


Claro que existam muitos programas para colocar software nas pens. No entanto aqui não vamos usar nenhum determinado programa, pois vai ser tudo feito como se diz "à unha". Ou melhor vamos instalar na pen aquele que é um dos mais conhecidos gestores de arranque de sistemas operativos, o GRUB. Depois cada vez que adicionamos um LiveCD ou um sistema na pen, adicionamos também algumas linhas a um ficheiro que o GRUB lê no arranque e onde estão os comandos para o arranque desse sistema. Vai ser bastante fácil como parece sim, e acima de tudo divertido porque percebemos como tudo funciona ;)

O que vamos precisar vai ser de um sistema Linux funcional para os passos todos que vou explicar ao longo dos artigos. Eu fiz tudo a partir do Ubuntu, e a malta do Windows pode por exemplo usar um LiveCD com o Ubuntu que servirá também.

Em termos de software poderá ser preciso um gestor de partições instalado como o GParted. Na pen foi tudo testado por mim numa partição FAT32. Poderão também usar uma partição NTFS, ou uma partição em EXT4, no entanto para compatibilidade a partição em FAT32 será a escolha mais acertada se o limite dos 4GB por ficheiro não for um problema.

A minha pen têm três partições, uma grande em FAT32 e outras duas muito pequenas em EXT4 que servem aqui só para o OpenELEC. Para criarem essas partições em EXT4 o Gparted serve. Em todo o caso podem utilizar outro qualquer editor de partições no Windows desde que esse seja capaz de trabalhar com partições EXT4.

Instalação do GParted no Ubuntu:

sudo apt-get install gparted


Em relação a pen a usar e ao seu tamanho, aqui é mesmo quanto maior melhor! Numa pen de 16GB com todos os sistemas instalados que descrevi em cima, acabamos só com 4 ou 5 GB livres. Ou seja uma pen de 8GB não serve para instalar todos eles. Depois apostem numa pen com interface USB 3.0 que mesmo sendo para usar em computadores com especificação USB 2.0, estas são mais rápidas há mesma em USB 2.0. Ainda a velocidade de leitura e escrita da pen que quanto mais rápida melhor. Fujam daquelas pen baratuchas que mal passam os 5MB/s de velocidade de escrita.

E pronto isto foi apenas uma introdução de um artigo mais completo que dividirei em 4 ou 5 partes e que colocarei aqui no blogue durante as próximas semanas. Se querem ter uma Super Multi-Pen destas, estejam então atentos ;)

Comentários

  1. Fiz isso no meu smartphone. Vários isos (win7, winxp, hirens, acronis, várias dis. Linux etc...) a correr do meu wiko darknight.
    Agora instalo SO a partir do telemóvel.

    ResponderEliminar
  2. Acabei de colocar o openelec no smartphone com as addons mais usadas (tv portuguesa, ratotv, wareztuga etc...)

    ResponderEliminar
  3. Interessante, mas aqui troca-se o cabo usb por uma penUSB ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares:

Linha de comandos: SED

Já me ocorreu ter que adicionar valores alfanuméricos em todas as linhas de um ficheiro de texto. Dependendo do numero de linhas esta pode ser uma das tarefas manuais em que desistimos logo antes de começarmos. Ou não se utilizarmos então o comando sed.
Através da consola de linux, o comando sed permite adicionar letras ou outros valores alfanuméricos antes ou depois das linhas de texto já previamente escritas num determinado ficheiro.
Ex: Em cada uma das linhas do ficheiro lista.txt, eu pretendia adicionar no inicio o seguinte (Inicio da linha). Com estas alterações a ficarem num novo ficheiro com o nome de "nova_lista.txt":
sed 's/^/Inicio da linha/' lista.txt > nova_lista.txt Com o mesmo exemplo mas para o final da linha:
sed 's/$/Fim da linha/' lista.txt > nova_lista.txt Também podemos combinar tudo num único comando que seria assim:
sed "s/.*/Inicio da linha&Fim da linha/" lista.txt > nova_lista.txt O resultado do ficheiro nova_lista…

The Zero Terminal (Portable Pi Zero W)

Há projectos do caraças e este Zero Terminal é um daqueles que faz todo o sentido quando utilizado com o novo Raspberry Pi Zero W!

Com um tamanho de um iPhone, têm ecrã de 3.5", uma bateria de 1500 mAh, HDMI Out e um teclado QWERTY completo deslizante. Só porque sim, quero um ;)

Fonte (AadM)